BTG Pactual (BPAC11) lança fundo de bitcoin com gestão ativa

Voltado ao varejo, o fundo vai ter um aporte mínimo de R$1

O BTG Pactual começou a testar o interesse dos investidores brasileiros por fundos que investem em criptoativos no ano passado, quando lançou um veículo para aplicar em fundo da fintech Hashdex, e levantou R$ 400 milhões no produto.

De acordo com o Valor Econômico, o banco resolveu montar sua própria estratégia em criptoativos e está lançando o primeiro fundo local com gestão ativa que investe em bitcoins.

Voltado ao varejo, o fundo do BTG vai ter um aporte mínimo de R$ 1, enquanto um único bitcoin custa quase US$ 60 mil (R$ 342 mil). “É um ativo que tem bastante demanda mundo afora e não tem tanta oferta no Brasil. Achamos que, com nossa expertise em distribuição e tecnologia, poderíamos colocar isso num pacote que fosse mais fácil para o investidor acessar, com baixo custo”, afirma Will Landers, chefe de renda variável da BTG Asset Management.

BTG Pactual (BPAC11) lança fundo de bitcoin com gestão ativa
BTG (BPAC11) registra queda de 4% no lucro do 2TRI

BTG

Ainda de acordo com o jornal, sem taxa de performance e cobrando 0,5% de administração – menor que a taxa do fundo de fundos FIC Hashdex -, a carteira do BTG investe 20% em bitcoins e o restante em renda fixa no Brasil.

Segundo Landers, a opção por colocar só uma criptomoeda no fundo é justamente para não complicar muito e o investidor conseguir acompanhar melhor o desempenho desse primeiro ativo, que é o de maior liquidez entre as criptomoedas – o que viabiliza ao fundo dar saída diária.

“É um fundo ‘carbon free’, em linha com a estratégia ESG que é super importante para o banco. Como bitcoin é produto de mineração, por computadores e demanda alta de eletricidade, compramos crédito de carbono”, diz Landers, fazendo referência aos investimentos que seguem regras de impactos ambientais, sociais e de governança.

Bitcoins

Os bitcoins dividem opiniões entre os grandes investidores globais – há quem ame e quem odeie. Mas fato é que, em reais, a moeda virtual teve valor multiplicado por dez em um ano – empurrado pela valorização do ativo e pela valorização do dólar.

Para Landers, mesmo com a forte valorização recente, o ativo continua atraindo interesse de novos investidores e pode ser oportunidade – com mais companhias e governos usando para reservas e pagamentos.

“Não está no ‘all time high’, está próximo dele. Mas, de qualquer forma, para qualquer tipo de investimento, a recomendação é não alocar a carteira inteira e a gente quer explicar o que é, colocar vídeos on-line sobre moedas e blockchain, e justamente por isso um produto em que o investidor começa pequeno”, afirma o chefe da asset.

Veja BPAC11 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

 

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Leia mais