Bolsa: emissões no mercado de capitais atingem segundo maior, diz Anbima

As operações das companhias brasileiras no mercado de capitais (Bolsa) atingiram R$ 35,3 bilhões em outubro, o segundo maior volume registrado neste ano, atrás apenas de fevereiro, antes do início da pandemia de Covid-19.

De acordo com os dados da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), o valor representa aumento de 43,7% em relação a setembro. Até o momento, as emissões em 2020 totalizam R$ 275,1 bilhões, ficando 18,5% abaixo do mesmo período de 2019.

Três das cinco mais valiosas empresas de capital aberto da América Latina são do Brasil

Bolsa: total captado

Mais da metade (54,2%) do total captado em outubro foi relativo às operações de renda variável, que chegaram a R$ 19,1 bilhões.

Nesta categoria, destacam-se os follow-ons (ofertas subsequentes de ações), com volume quase três vezes acima de setembro e 88,9% mais alto que o mesmo período do ano passado.

A representatividade do volume dos IPOs (ofertas iniciais) no mês foi de 16,6%, sendo a maior captação mensal de 2020 em termos absolutos (R$ 5,9 bilhões).

“O resultado reforça o bom ano para o mercado de ações, que tem se consolidado como fonte de recursos para diversas companhias”, destaca José Eduardo Laloni, vice-presidente da ANBIMA.

Ao todo, 16 empresas já abriram capital neste ano, além de outras cinco que precificaram as ofertas, mas não realizaram a publicação do anúncio de encerramento até outubro.

Bolsa: renda fixa

Na renda fixa, as debêntures registraram volume de R$ 10,2 bilhões em outubro, equivalente a alta de 5,8% sobre o registrado em setembro.

No ano, o total até o momento é de R$ 84,8 bilhões. O prazo médio de vencimento dos papéis tem se alongado em 2020: até outubro, ficou em 6,3 anos, contra 5,8 anos no mesmo período do ano passado.

O volume emitido por títulos de securitização (CRIs – Certificados de Recebíveis Imobiliários, CRAs – Certificados de Recebíveis do Agronegócio e FIDCs – Fundos de Investimento em Direitos Creditórios) caiu 56,2% na comparação a setembro, totalizando R$ 2,4 bilhões.

Fundos imobiliários

Já os fundos imobiliários registraram volume de R$ 3,1 bilhões, ou seja, aumento de 29,6% em relação a setembro. No ano, o montante emitido por esses fundos é de R$ 32,9 bilhões, contra R$ 28 bilhões no mesmo período de 2019.

No mercado externo, as emissões de renda variável, que estavam interrompidas desde fevereiro, foram retomadas, com duas operações que representaram US$ 314 milhões. Também ocorreram duas emissões de renda fixa no total de US$ 1,5 bilhão. O montante de emissões externas (renda fixa e variável) chega a US$ 23,5 bilhões em 2020.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais