BB diz que não há decisão sobre Cielo; Bradesco nega estudo para fechar capital

O Banco do Brasil, o BB, listado sob o ticker BBAS3, comunicou nesta segunda-feira (22) que não há qualquer decisão no âmbito de sua governança sobre a Cielo (CIEL3) neste momento, afirmando, contudo, que “avalia constantemente oportunidades e alternativas que contribuam com sua estratégia corporativa”.

O comunicado do BB vem após o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, publicar no fim de semana que, depois de meses estudando diversas alternativas, o Bradesco (BBDC4) e o Banco do Brasil –que dividem o controle da empresa de meios de pagamentos–estão concluindo estudos para o fechamento do capital da Cielo.

Em nota separada, a Cielo divulgou a resposta do BB e também a do Bradesco. “Em relação à nota publicada pelo colunista Lauro Jardim, citando planos para fechar o capital da Cielo, informamos que não estamos estudando nada neste sentido no momento”, afirmou o Bradesco, segundo a Cielo.

BB Seguridade (BBSE3) anuncia R$948 mi em dividendos

Bolsonaro

Integrantes do governo temem que a fala do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no final de semana, de que outras mudanças poderão ocorrer, tenha como alvo o presidente do Banco do Brasil, André Brandão.

De acordo com o G1, Brandão entrou na mira de Bolsonaro após o Banco do Brasil anunciar o fechamento de agências dentro de um programa já previsto de reestruturação administrativa.

O problema é que o presidente não gostou, e reclamou com Paulo Guedes.

O ministro da Economia, no entanto, trabalhou para manter Brandão, junto com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Sobrevida

Ainda de acordo com o G1, Brandão ganhou uma sobrevida, mas integrantes da equipe econômica não acreditam que a insatisfação do presidente com o chefe do BB tenha passado. Por isso, temem que ele ainda esteja na mira do presidente.

Assessores de Bolsonaro avaliaram ao blog, inclusive, que o movimento pela permanência de Brandão no mês passado foi maior do que o feito por Castello Branco, que deixará a Petrobras.

Nos bastidores do governo, auxiliares presidenciais argumentam que a “máquina presidencial explode” quem não avisa o presidente com antecedência de movimentos que interferiram no aumento de custo de vida da população.

No caso do BB, a questão do fechamento de agências e o desemprego; na Petrobras, o preço do combustível e, por fim, a Eletrobras, com o aumento na tarifa de energia.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais