Banco Central reduz a 3,6% projeção de alta do PIB em 2021 e prevê superávit maior

O Banco Central (BC) reduziu sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto este ano para 3,6%, ante alta de 3,8% projetada em dezembro, mostrou o mais recente Relatório Trimestral de Inflação da autarquia, divulgado nesta quinta-feira (25).

No documento, o BC disse que a estimativa reflete, de um lado, o carregamento estatístico para o PIB anual maior do que o esperado e a manutenção da atividade econômica em nível elevado no início deste ano e, de outro, o recrudescimento recente da pandemia.

“Em termos de trajetória, a projeção para o PIB é de recuo moderado ao longo do primeiro semestre, seguido de recuperação relevante nos últimos dois trimestres do ano, decorrente da redução esperada na taxa de letalidade da Covid-19 e no número de internações, com o avanço da vacinação”, diz o relatório.

Banco Central diz que incerteza sobre o crescimento da economia está ‘acima da usual’
Banco Central

Banco Central

No que diz respeito à política monetária, o documento repetiu diagnóstico feito na ata do Comitê de Política Monetária, divulgada na terça-feira.

Na semana passada, o BC elevou a taxa básica de juros pela primeira vez desde 2015, em 0,75 ponto percentual, e indicou que deve promover nova alta desse mesmo valor em maio, ressaltando preocupações com a piora das projeções para a inflação.

Superávit

A balança comercial brasileira deverá registrar em 2021, apesar da pandemia do coronavírus, um superávit de US$ 70 bilhões, estimou o BC nesta quinta-feira (25).

O superávit é registrado quando as exportações superam as importações. Quando ocorre o contrário, é registrado déficit comercial.

Para 2021, o BC projeta que as exportações somarão US$ 256 bilhões, com alta frente ao ano passado (US$ 221 bilhões), e que as compras do exterior totalizarão US$ 186 bilhões (contra US$ 168 bilhões em 2020).

Se confirmado, o saldo positivo representará melhora em relação ao ano passado, quando somou US$ 50,995 bilhões, e representará novo recorde histórico. Até então, o maior superávit foi registrado em 2017 (cerca de US$ 67 bilhões).

De acordo com o BC, apesar de ter começado o ano em “nível deprimido”, espera-se que as exportações aumentem a partir de março, impulsionadas pelo escoamento da boa safra de soja, pelo patamar elevado para preços de “commodities” (produtos básicos com cotação internacional, como alimentos, petróleo e minério de ferro) e pela recuperação da demanda internacional.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais