AES Tietê (TIET11) passa a se chamar AES Brasil

A AES Tietê (TIET11) anunciou nesta terça-feira (24) a mudança na nomenclatura da companhia para AES Brasil, informou a assessoria de imprensa em nota.

“Hoje a empresa assumiu a identidade definitiva de AES Brasil e reforça o seu posicionamento de ser a opção número 1 no mercado livre de energia”, disse.

AES Tietê (TIET11): lucro líquido avança 235,7% no 2TRI

Energia+

Além disso, foi realizado o lançamento da plataforma digital Energia+, “que busca oferecer às pequenas e médias empresas uma experiência completa, simplificando o processo de migração para o mercado livre”.

3º tri

A AES Tietê (TIET11) divulgou um lucro 47,3% menor no terceiro trimestre de 2020, para R$ 51,1 milhões, ante os R$ 97 milhões do ano passado.

Segundo a empresa, a queda foi influenciada pela entrada em operação dos ativos solares e da diligência da companhia frente às suas despesas operacionais.

“Embora o lucro líquido do trimestre tenha sido impactado pela variação da despesa financeira, com a atualização monetária do passivo do GSF (que mede o risco hidrológico) no montante de R$ 101 milhões, vale ressaltar que este cenário será revertido com a resolução do GSF”, afirma a diretora comercial, Clarissa Sadock.

A receita líquida praticamente ficou estável, com R$ 509 milhões, variação negativa de 0,3%.

Já o Ebitda, que mede o resultado operacional, somou R$ 311,7 milhões, elevação de 22%, puxado pelo incremento da margem líquida consolidada em todos os ativos, que agregou R$ 56,2 milhões nos resultados.

A margem Ebitda teve queda de 11,3 pontos, para 61,2%

“O terceiro trimestre foi marcado pela acertada estratégia comercial e de gestão ativa do portfólio e pelo nosso compromisso na diligência de nossos custos e despesas. Como resultado, tivemos um crescimento expressivo da margem líquida e Ebitda e manutenção das nossas despesas operacionais, mesmo com o crescimento de nosso portfólio”, completou Clarissa.

A AES Tietê, controlada pela norte-americana AES, tinha dívida líquida de 2,8 bilhões de reais no fim do terceiro trimestre, queda de 4,8% em relação a igual período de 2019.

A geração de energia de usinas hidrelétricas caiu 16,1%, para 2.382,0 gigawatts por hora (GWh). Por outro lado, a geração de energia solar disparou 54,3%.

Veja TIET11 na Bolsa:

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais