Com grandes investimentos em vacinas, ações do setor de saúde atraem a atenção dos investidores

As ações de empresas farmacêuticas só crescem desde o início da pandemia, principalmente com o avanço das pesquisas por vacinas

Com a pandemia da Covid-19, um dos setores mais comentados foi o das farmacêuticas. Isso porque o segmento se tornou primordial com a busca por remédios que tratam a doença, assim como a busca por desenvolver o quanto antes vacinas imunizantes.

Portanto, diversas empresas que se dedicaram à pesquisa de vacinas contra o novo coronavírus tiveram valorizações bilionárias na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE). A Novavax lidera o ranking de melhor retorno aos acionistas, chegando a dar 1.500% só no ano passado.

Potencial na área da saúde

De acordo com alguns especialistas, a amplitude da área da saúde permite que os investidores tenham um bom leque de escolhas.

Dessa forma, há várias companhias para avaliar possíveis investimentos, como: empresas voltadas à produção de artigos farmacêuticos, criação e desenvolvimento de medicamentos, assim como redes de farmácia propriamente, entre outros.

De acordo com os especialistas do Goldman Sachs, grupo financeiro multinacional, é importante manter a expectativa. Os analistas afirmam que a inovação das farmacêuticas pode ser vista como um dos principais itens com potencial de tornar o setor da saúde mais atrativo. Portanto, é muito importante ficar de olho nessas ações.

Oportunidade: Desenvolvimento de vacinas traz 1.520% de ganhos aos investidores 

Desempenho das farmacêuticas

Como dito anteriormente, ao longo de 2020, houve um crescimento do setor devido a pressa por uma vacina eficaz contra o novo coronavírus e a alta demanda por produtos de higiene e proteção, como máscaras. 

Hypera (HYPE3)

A Hypera Pharma é a maior companhia farmacêutica brasileira, em relação de receita líquida. Dessa forma, a companhia registrou uma receita com avanço de 7,9% no no terceiro trimestre de 2020, alcançando  R$1.088,5 milhões.

Portanto, atingiu o seu maior patamar já registrado desde que seu foco se tornou, exclusivamente, o mercado farmacêutico.

Pague Menos (PGMN3)

A Pague Menos teve um lançamento recente, abrindo seu IPO na B3. O lucro líquido final foi de R$ 40,2 milhões. Todavia, sua margem líquida chegou a 2,1% da receita bruta.

Com isso, ela avançou 2,6% quando comparado com o mesmo período do ano anterior. É importante lembrar que a Pague Menos é a única rede de farmácias com lojas em todo país.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais