Deputado promete “regulamentação libertária” para o Bitcoin no Brasil

Deputado-Aureo CPI das criptomoedas

Em entrevista para o canal Dash Dinheiro Digital no Youtube, o deputado federal Aureo Ribeiro (SD/RJ) disse que ainda esse ano poderemos ver uma “regulamentação libertária” para o Bitcoin, “onde o mercado se ajusta”.

Aureo é empresário, político filiado ao Solidariedade e autor do projeto de lei 2303/2015, que dispõe sobre a inclusão das moedas virtuais e programas de milhagem aéreas na definição de “arranjos de pagamento” sob a supervisão do Banco Central.

Em 2019, fruto de debates e audiências na Câmara, Aureo também apresentou o PL 2060/2019, que “dispõe sobre o regime jurídico de Criptoativos.”. Segundo ele, se o projeto fosse aprovado na Câmara dos Deputados, no Senado e sancionado pelo governo, seria “um grande feito da gestão Bolsonaro que trabalha com a liberdade econômica”.

“[O governo] trabalha com a modalidade do investimento tecnológico na economia e que hoje tem um livre mercado. Então eu tenho certeza que essa também é uma pauta do governo, e vai facilitar muito [para] todos os usuários hoje de criptomoedas no Brasil.”

Pirâmides Financeiras com criptomoedas no Brasil

Além disso, o deputado apresentou uma Comissão Parlamentar de Inquérito, não instalada por conta da pandemia de covid-19, que ficou conhecida como a CPI das Pirâmides Financeiras.

A CPI tinha o objetivo investigar “operações fraudulentas” e promessas irreais de ganhos de empresas do mercado financeiro. Curiosamente, o CEO da Atlas Quantum Rodrigo Marques chegou a participar de audiências relacionadas à regulamentação dos criptoativos no país. Com o travamento dos saques após o stop order da CVM, a Atlas acabou deixando milhares de lesados ao redor do Brasil.

De acordo com Aureo, a CPI foi apresentada para “separar o joio do trigo”, facilitando o entendimento na discussão sobre criptomoedas no Congresso, por conta da quantidade de empresas que se utilizam da falta de conhecimento para praticar esquemas de pirâmide.

Regulamentação libertária?

Na entrevista, o deputado também comentou sobre a dificuldade atual que os lojistas têm com a aceitação de bitcoin e outras criptomoedas.

“Como no passado a pessoa falava que ia comprar no cartão, e a pessoa não entendia o que era isso, hoje é muito mais claro e nítido na cabeça das pessoas. Você vai lá e passa através de um aplicativo, paga, transfere, compra e vende. Hoje com criptoativos vai facilitar a vida de todos os usuários da internet no nosso país.”

Segundo ele, não há dúvidas de que uma regulamentação é fundamental para dar clareza ao mercado na questão da segurança jurídica.

“[É preciso] Clareza em quem tem o dever de orientar, fiscalizar, controlar, mas de uma forma muito objetiva e libertária, que não prejudique o crescimento das criptomoedas no Brasil, que não venha a ser mais uma burocracia para atrapalhar quem produz, consome, investe e transaciona. Então nós queremos um projeto de reconhecimento desse ativo para facilitar e melhorar o ambiente econômico digital brasileiro.”

Usando o termo “libertário”, Aureo remete a filosofia dos primeiros bitcoiners, que acreditavam que o Estado não deveria intervir nas relações voluntárias dos indivíduos. E a ética libertária, estruturada principalmente por Murray Rothbard e Hans-Hermann Hoppe, mostra que apenas ações pacíficas não caem em contradição performativa.

O quanto a regulamentação pode realmente ser libertária, você pode tirar suas próprias conclusões lendo a proposta de lei na íntegra. Você também pode assistir a entrevista completa com o canal Dash Dinheiro Digital abaixo:

O conteúdo Deputado promete “regulamentação libertária” para o Bitcoin no Brasil apareceu primeiro em Cointimes.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais