O grupo Notre Dame Intermédica (GNDI3) obteve lucro líquido de R$ 303,9 milhões no segundo trimestre de 2020 ante igual período de 2019, alta de 132,4%.

No segundo trimestre de 2019 a companhia havia registrado lucro líquido de R$ 89,6 milhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado saltou 98,2%, para R$ 536,3 milhões, com margem Ebitda ajustada passando a 20,6%, de 13,3% um ano antes.

No final de junho, a dívida líquida totalizava R$ 27,2 milhões, já considerando os desembolsos para as aquisições de Ecole, LabClin e Hospital do Coração de Balneário Camboriú, bem como os investimentos na melhoria da Rede Própria, forte queda em relação ao final de março R$ 142,4 milhões.

O balanço da companhia foi divulgado nesta sexta-feira (7).

Notre Dame (GNDI3) compra Climepe, de Minas Gerais, por R$ 168 milhões
Notre Dame (GNDI3) compra Climepe, de Minas Gerais, por R$ 168 milhões

GNDI3: receita líquida

De acordo com o balanço, de abril a junho a receita líquida consolidada totalizou R$ 2,6 bilhões, alta de 27,9% frente igual período do ano anterior.

O grupo diz que atualmente conta com 24 hospitais, 87 centros clínicos, 23 prontos socorros autônomos, 14 centros de medicina preventiva, 68 pontos de coleta de análises clínicas, 12 unidades para exames de imagem e 2 Centros de Saúde exclusivamente dedicados aos idosos.

A Notre Dame Intermédica encerrou o primeiro semestre com 3,6 milhões de beneficiários em Saúde e 2,6 milhões de beneficiários em Dental.

No segundo trimestre, as despesas gerais e administrativas caixa cresceram 35,5%, para R$ 256,2 milhões, e as despesas comerciais subiram 30,7% para R$ 130,4 milhões.

Veja GNDI3 na Bolsa:

https://www.youtube.com/watch?v=FXYVpeQZsYA&t=139s
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: