Wall St. azeda com inflação e números do JPMorgan

Nasdaq recuava 1,23% aos 11.111 pontos

A bolsa de Nova York opera no negativo. O investidor está digerindo os dados econômicos apresentados nesta manhã, como a inflação do portão de fábrica – PPI, os pedidos iniciais de auxílio-desemprego e, principalmente, os resultados financeiros de grandes bancos. Os dados da inflação ainda estão fazendo preço em Wall Street, depois de uma alta de 9,1% em 12 meses e 1,3% em junho.

O Dow Jones caía 1,62% aos 30.273 pontos. O S&P estava em queda de 1,40% aos 3.747 pontos. O Nasdaq recuava 1,23% aos 11.111 pontos.

O JPMorgan Chase estava no centro das atenções, depois de mostrar a maior queda no lucro do segundo trimestre (28%). O banco atribuiu o declínio a uma provisão de US$ 1,1 bilhão para perdas de crédito, isso diante das preocupações com uma possível desaceleração econômica.

“Em nossa economia global, estamos lidando com dois fatores conflitantes, operando em horários diferentes. A economia dos EUA continua a crescer, tanto o mercado de trabalho quanto os gastos do consumidor, e sua capacidade de gastar permanecem saudáveis. No entanto, a tensão geopolítica, a inflação alta, a confiança do consumidor em declínio e a incerteza sobre quão altas as taxas de juros irão continuar a aparecer no horizonte”, disse o CEO, Jamie Dimon.

O Morgan Stanley (MS) revelou resultados que ficaram aquém das expectativas dos analistas, prejudicados por uma queda na receita do banco de investimento devido às condições voláteis do mercado.

O lucro do Morgan Stanley caiu para US$ 1,39 por ação, uma queda de 25% em relação ao US$ 1,85 registrado no período de 2021. A receita caiu 11%, para US$ 13,1 bilhões ao longo do ano. Analistas esperavam queda de US$ 1,57 com receita de US$ 13,4 bilhões.

Para amanhã estão previstos os resultados do Citi (C) e Wells Fargo (WFC).

Gostou deste conteúdo e quer saber mais? É só clicar aqui 

Veja também no nosso blog

 

 

você pode gostar também

Comentários estão fechados.