“A queda da moeda americana está um pouco limitada no Brasil devido aos ruídos da política”

Recentemente o dólar atingiu uma leve alta, chegando a R$ 3,88. Especula-se que tenha relação com a série de reportagens publicadas que expunha o vazamento das conversas do Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Os investidores estão atentos a cena política e temerosos pelos projetos em tramitação no Congresso. Acredita-se que o escândalo recente do Ministro possa atrasar a aprovação dos projetos, como por exemplo a Reforma da Previdência.

Sobre a reforma:

As conversas entre o Ministro e o Coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, tinham conteúdo polêmico, que impactava diretamente a operação. Com isso, as transições foram operadas com extrema cautela perante a baixa de 0,36% do Ibovespa. Especialistas temiam que a agenda econômica do país fosse atrasada devido aos ruídos, visto que as conversas podem despertar o interesse do povo por uma reabertura da Lava Jato. Fernando Bergallo, Diretor de Câmbio da FB Capital, acredita que, apesar do escândalo impactar a economia, não abalará muito a agenda, contando com o fato de que a baixa no dia seguinte ao escândalo não foi tão grande, o que pode gerar menos atrasos que o esperado por analistas e investidores. “A queda do dólar está um pouco limitada no Brasil devido aos ruídos da política”, comenta Bergallo.

Apesar do leve impacto recente, ocasionado pelo escândalo do Ministro, a Bolsa opera com 98 mil pontos, o que já parece um bom sinal para os investidores. Sobre a alta do dólar estima-se que até o fim do semestre a situação esteja equilibrada. “Com essas questões sendo esclarecidas, o valor atual deve baixar, ficando entre R$3,70 ou R$3,75, mas não muito abaixo disso”, finaliza o Diretor de Câmbio.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: