Volume de emissões no mercado de capitais é o maior dos últimos dez anos para um 1º tri

O volume é o maior para o período desde o início da série histórica, em 2011

As emissões das empresas brasileiras no mercado de capitais atingiram R$ 102 bilhões no primeiro trimestre de 2021, o que representa alta de 21,8% em relação aos R$ 83,8 bilhões registrados entre janeiro e março de 2020.

De acordo com a ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), o volume é o maior para o período desde o início da série histórica, em 2011. Só em março foram captados R$ 53,1 bilhões, um aumento de 93,8% na comparação a fevereiro.

As emissões das empresas brasileiras no mercado de capitais atingiram R$ 102 bilhões no primeiro trimestre de 2021, o que representa alta de 21,8% em relação aos R$ 83,8 bilhões registrados entre janeiro e março de 2020.

Mercado de capitais

As operações de renda variável se destacam em 2021: o total de R$ 33,4 bilhões também é o maior volume dos últimos dez anos para um primeiro trimestre. Deste montante, R$ 21,8 bilhões vieram de IPOs (ofertas iniciais de ações), valor que equivale a quase metade do total captado no ano passado inteiro.

O volume expressivo de ofertas iniciais realizadas em março (R$ 18,2 bilhões) contribuiu para o resultado. Para os próximos meses, 50 IPOs estão em andamento.

“A maior parte dos recursos levantados em IPOs está indo para a capitalização das companhias, para contribuir com o crescimento de suas operações”, afirma José Eduardo Laloni, vice-presidente da ANBIMA. No trimestre, os fundos de investimento permanecem como principais subscritores das ofertas de ações colocadas em mercado, com 49,7% do volume total, seguidos pelos investidores estrangeiros, com 34,2%. “É uma mudança importante de cenário. Há poucos anos, os estrangeiros eram o público essencial dessas ofertas e agora o maior apetite é dos fundos locais”, diz.

Debêntures

Entre as debêntures, o volume de emissões entre janeiro e março deste ano (R$ 31 bilhões) praticamente dobrou em relação ao mesmo período do ano passado (quando foram registrados R$ 16,8 bilhões). Apenas em março, esse instrumento representou 26,9% do total emitido no mercado de capitais, parcela superada apenas pelos IPOs.

Os CRIs e os FIDCs se destacam entre os demais produtos de renda fixa, com volumes de R$ 4,7 bilhões e de R$ 14,8 bilhões, respectivamente. Os fundos imobiliários, híbridos entre renda fixa e variável, também tiveram resultados expressivos no trimestre: o total de emissões (R$ 14 bilhões) está 29% acima do mesmo período de 2020. Só em março, os FIIs alcançaram R$ 6 bilhões, mais de três vezes acima do registrado em fevereiro (R$ 1,4 bilhão), confirmando o momento positivo do segmento.

No mercado externo, as operações de renda fixa das empresas brasileiras (emissões de bonds) somam US$ 7,6 bilhões em 2021 contra US$ 8 bilhões do primeiro trimestre do ano passado.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais