POR QUE O BITCOIN DISPAROU 146%?

A moeda digital Bitcoin chegou perto de US$ 10 mil em 2019. Isso significa uma alta de 146% somente este ano, porém, ainda está longe de seu recorde histórico, quando atingiu quase a marca de US$ 20 mil. Alguns analistas gráficos dizem que facilmente esta criptomoeda pode valer mais de US$ 100 mil em um curto espaço de tempo. A verdade é que este ativo possui altíssima volatilidade e como o básico dos investimentos é sempre o risco ser proporcional ao retorno, assim como ela pode subir muito, ela também pode cair muito.

“Se comprarmos com um investimento em ações, que também é renda variável, o Bitcoin é muito mais volátil. Dificilmente a bolsa irá subir 146% em 6 meses, assim como dificilmente ela irá desvalorizar 70% no neste mesmo espaço de tempo. O investidor precisa analisar o quanto de risco ele pode correr dentro do seu planejamento financeiro”, explica Fabrizio Gueratto, Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira.

Entretanto, quais são os fatores que explicam esta nova grande valorização do Bitcoin? O Financista explica que existem diversos fatores, porém, é muito mais complexo explicar as altas de um criptoativo do que do dólar, por exemplo. “O dólar todos sabemos a influência da economia americana na moeda. O Bitcoin ainda é algo muito recente. Não é apenas uma moeda digital. É uma nova classe de ativos que até pouco tempo atrás ninguém se quer sonhava que um dia existiria”, ressalta. Veja abaixo alguns fatores que podem explicar esta alta e possíveis novas valorizações

1) Varejo:

O Bitcoin só tem valor se as pessoas conseguirem comprar coisas e serviços com ele. Portanto, cada vez que uma grande rede varejista ou um governo dizem que estão aceitando a criptomoeda existe um processo natural de valorização e solidez. Recentemente as redes Barnes e Noble, Office Depot e Whole Foods começaram a aceitar pagamento em criptomoedas. Isso incentiva outras redes a não ficarem para trás.

2) Libra:

A nova moeda digital do Facebook pode mais ajudar do que atrapalhar. Existe uma diferença enorme do Bitcoin para essas criptomoedas. O Bitcoin é descentralizado. Não existe um dono do Bitcoin. Não existe um emissor da criptomoeda. Apenas existe a plataforma e os próprios usuários podem minerar e encontrar novos ativos. Além disso o Bitcoin é a mãe de todas. É a mais usada e a primeira. É o mesmo que o dólar em relação as outras moedas fiduciárias.

3) Tether:

É uma criptomoeda que é lastreada em dólar, ou seja, se você quiser se desfazer da moeda você recebe em dólar. Tem causado muita polêmica com o governo americano. Boatos dizem que a empresa não teria dólares suficientes para pagar todas as moedas digitais emitidas. A fuga de pessoas do Tether faz com que elas migrem para o Bitcoin.

4) Crise americana:

O índice S&P 500 novamente bateu seu topo e sempre após um topo ocorre uma crise. A economia americana está com o menor nível de desemprego. Isso talvez explique a trégua de Trump com o Governo Chinês, o que desaceleraria o mundo todo. Se realmente estiver na eminência de uma crise, muitos investidores estão migrando parra outros ativos e um pequeno percentual indo para o Bitcoin já causa uma grande valorização. Além disso a dívida americana subiu de US$ 9 trilhões para US$ 22 trilhões.

5) Padrão monetário:

Apesar dos especialistas não afirmarem que o Bitcoin substituirá as outras moedas, alguns acreditam que ela será o novo padrão monetário em substituição ao dólar. Cada vez que mais empresas passam a receber pagamentos em criptomoedas esta tendência aumenta.

6) JP Morgan:

Um dos maiores bancos do mundo foi um dos grandes críticos das criptomoedas, alegando que era uma fraude. Porém, agora o JP Morgan anunciou no começo do ano que irá lançar a sua própria criptomoeda. Isso traz solidez para o mercado, apesar da moeda do JP pertencer a uma instituição financeira, diferente do Bitcoin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.