PCAR3, COGN3, VIIA3 estão na Carteira Teva Ações Micro Caps

No rebalanceamento do ETF 12 companhias deixaram a carteira do fundo de índice

A Teva Índices divulgou a nova carteira de ações que compõe o Teva Ações Micro Caps, indicador que é replicado pelo ETF Trígono Teva Ações Micro Caps (TRIG11).

O rebalanceamento, que passa a ser válido até outubro, acontece de três em três meses e permite a melhor exposição do fundo de índice listado na B3 às empresas de menor capitalização de mercado. Desta vez, a movimentação envolveu 24 papeis. A partir de agora, 85 empresas estão na carteira teórica ante 91 companhias que faziam parte do indicador no período de abril a julho.

Entraram no TRIG11

Pão de Açúcar (PCAR3), Aliansce Sonae (ALSO3), Armac Locação Logística (ARML3), Yduqs (YDUQ3), Cogna Educação (COGN3), Locaweb (LWSA3), Via (VIIA3), Hospital Mater Dei (MATD3) e Vittia Fertilizantes (VITT3). Todas atendem o critério de representar até 5% da capitação total do mercado.

Saíram do TRIG11

Mobly (MBLY3) e Enjoei (ENJU3) deixaram de atender o critério mínimo de capitalização de mercado, enquanto Fleury (FLRY3), JSL (JSLG3), BR Partners (BRBI11), Eletromídia (ELMD3), Unifique Telecom (FIQE3), Cruzeiro do Sul (CSED3), Dexxos Participações (DEXP3), CSU Cardsystem (CARD3), Livetech (LVTC3), Mitre (MTRE3), Oceanpact (OPCT3), LPS Brasil (LPSB3) e Helbor (HBOR3) saíram em razão do critério de liquidez.

Justificativas

“Algumas empresas ficam no limite do teto e acabam se desenquadrando do ETF. Mas não é só isso. Na metodologia criada pela Trígono, as empresas passam por um filtro ESG, o que exclui os setores de tabaco e de material bélico, por exemplo”, diz Arthur Mesnik, sócio e chief operating officer (COO) da Trígono Capital. “Com isso, o nível de governança corporativa do TRIG11 é elevadíssimo: 86% das empresas no ETF estão no Novo Mercado da B3, ante 77% no SMAL11 e 56% no Ibovespa.”

O TRIG11 é um ETF de gestão passiva da Trígono Capital que replica o desempenho do Índice Teva Ações Micro Caps. Lançado em 12 de novembro de 2021, a taxa de administração é de 0,6% ao ano. Até o dia 14 de julho, o retorno estava em 4,01%. E o patrimônio líquido em R$ 54,3 milhões.

Por seguir um índice com beta elevado, inclusive maior do que o do small caps, o TRIG11 tende a apresentar performances superiores ao mercado em períodos de bull market. Nos últimos 12 meses, por exemplo, o Índice Teva Ações Microcaps apresentou um beta de 1,22, demostrando que o fundo pode se beneficiar de uma recuperação da bolsa brasileira. Um exemplo disso foi o ano de 2019, quando o índice Teva Ações Microcaps valorizou 73,72% contra um aumento 31,6% do Ibovespa e 58,2% do Índice de Small Caps.

Gostou deste conteúdo e quer saber mais? É só clicar aqui 

Veja também no nosso blog

você pode gostar também

Comentários estão fechados.