Educador financeiro dá dicas para não se endividar no fim de ano

O Educador Financeiro do Canal 1Bilhão, Fabrizio Gueratto separa 12 dicas para proteger o seu bolso no Natal no AGORA MATO GROSSO.

Matéria na íntegra -> http://bit.ly/2Gp1brn 

Sobre 1Bilhão 

O canal 1Bilhão leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, eleito em 2018 com um dos mil paulistanos mais influentes e que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras, o canal tem o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas. 

12 DICAS PARA PROTEGER O BOLSO DURANTE AS COMPRAS DE NATAL

“Planejamento é essencial para que todo o processo seja tranquilo e não ocorra estresse durante as compras de fim de ano”, explica Educador Financeiro.

Final de ano é sempre relacionado a época de fazer compras e esse sentimento vem atrelado ao recebimento do 13° salário, então esse reforço na renda muitas vezes desencadeia o consumo sem nenhum planejamento, o que poderia ser uma renda extra para ajudar, pode acabar se tornando uma dívida maior. Para que essas compras natalinas não acabem sendo um problema, é essencial se programar previamente e as 12 dicas dadas pelo Educador Financeiro do Canal 1Bilhão, Fabrizio Gueratto, podem facilitar esse período.

 

  • Planejamento: O primeiro passo é fazer uma planilha de quanto entrará de 13º terceiro, pois assim facilita a visualização de quanto se pode gastar;
  • Priorizar dívidas: Saber quais são as suas dividas atuais, e subtrair no que poderá ser gasto para que não haja endividamento;
  • Amigo secreto: O amigo secreto é uma ótima alternativa para diminuir a quantidade de presentes, pois é uma forma de todos serem presenteados, sem sobrecarregar o orçamento;
  • Lista de presentes: Estabelecer uma lista de quem você irá presentear, assim não se perderá em meio as lojas e também ajudará a não esquecer de ninguém e também não comprar a mais do que deve;
  • Estipular o valor: É importante estipular com antecedência o valor que será gasto com cada presente, pois isso traz foco na hora das compras, não excedendo o orçamento previsto;
  • Gastos do começo do ano: Os gastos do começo do ano, como matrícula escolar, IPVA e IPTU, também entram nessa conta para que seja possível calcular o que esperar do próximo mês e já reservar, caso necessário, algum dinheiro;
  • Pesquisa online: Antes de ir fazer as compras, principalmente online, é essencial pesquisar sobre as lojas, por exemplo, em sites, como o consumidor.gov, Procon e Reclame Aqui, para avaliar sua reputação, evitando dores de cabeça e estresse;
  • Parcelar jamais: O parcelamento significa que o consumidor está antecipando um desejo, ou seja, comprando algo que ele não pode ter naquele momento. Além disso, no parcelamento, os juros sempre estão embutidos. O ideal é sempre comprar a vista. Sempre;
  • Fazer compras sozinho: Ir sem ninguém ou com alguém que seja mais controlado que você, também é uma boa alternativa para que não aconteça de estourar o orçamento, porque com toda a família e principalmente com crianças é mais difícil de ter controle;
  • Evitar cartão de crédito: Evitar o cartão de credito é indicado, pois mesmo não mudando o valor do produto, a taxa do cartão pode chegar até 7%, sem contar os juros;
  • Comprar com dinheiro: As operadoras de cartão de crédito cobram do comerciante um percentual do valor de cada compra no cartão. Além disso, muitas vezes aquele montante só é repassado para o lojista depois de dias. No caso de parcelamento, caso o empresário queira o antecipar o pagamento o desconto é ainda maior por parte da bandeira. Isso significa que se o consumidor estiver com dinheiro em papel, poderá conseguir um bom desconto no momento da compra;

 

Investimento: E por fim, presenteie-se, guardando dinheiro para investir em 2019. Poupar também é um presente, pois além de garantir o futuro, traz paz emocional no presente.

Sobre 1Bilhão

O canal 1Bilhão leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, eleito em 2018 com um dos mil paulistanos mais influentes e que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras, o canal tem o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas.

POUPANÇA NÃO RENDERÁ NADA COM SUBIDA DA INFLAÇÃO

“Se os preços dos produtos e serviços sobem na mesma proporção que a rentabilidade dos investimentos, significa que o dinheiro investido não rendeu nada”.

A maioria dos brasileiros que buscam por produtos financeiros acabam escolhendo e investindo na poupança, pois este investimento é visto como “seguro” por grande parte da população, mesmo que se encontre com baixíssima rentabilidade. Atualmente a poupança está rendendo por volta de 4,5% anualmente, enquanto a inflação deve ficar próxima de 4,43% e com perspectiva de subida com a melhora da economia.

A inflação é a representação de aumento geral dos preços de produtos e serviços, podendo ser considerada uma grande inimiga para quem poupa e investe o dinheiro pensando no médio e longo prazo. “Colocar o dinheiro na poupança não trará nenhum ganho financeiro. Porém, a poupança é muito importante no processo de educação financeira, pois é o primeiro produto que a maioria das pessoas investe. Além disso, para o “colchão” ou a “reserva de emergência”, que deve equivaler a no mínimo 12 meses do custo de vida de uma pessoa, deixar o dinheiro neste tipo de aplicação, que não possui volatilidade e tem boa liquidez, pode ser uma opção. As pessoas precisam entender que no começo da vida financeira o importante não é em que investir, mas sim, guardar dinheiro”, diz o Educador Financeiro do Canal 1Bilhão, Fabrizio Gueratto.

Além da inflação oficial, medida pelo governo, o investidor deve entender que a sua inflação, ou seja, o quanto seu custo de vida sobe, pode fazer com que o seu dinheiro desvalorize. “Se a inflação oficial está rendendo praticamente o mesmo que a poupança, significa que muito provavelmente o investidor está perdendo dinheiro, pois é necessário levar em conta também a inflação pessoal que quase sempre é bem mais alta. Ou seja, o custo de vida desta pessoa está subindo mais do que o percentual que o investimento está rendendo. A expectativa é que nos próximos meses, o brasileiro que já iniciou algum tipo de investimento procure por produtos mais rentáveis e diversificados”, explica Gueratto.

Se os preços dos produtos e serviços sobem na mesma proporção que a rentabilidade dos investimentos, significa que o dinheiro investido não rendeu nada. “Por exemplo, se o preço do aluguel é um valor igual ao salário da pessoa e essa mesma pessoa recebe um aumento de R$ 100,00 mas a inflação aumenta e o aluguel sobe essa mesma quantia, significa que não se ganhou nada, ou seja, não houve rentabilidade, pois com a inflação aumentando o dinheiro que entra sai com muita facilidade já que os produtos sobem”, finaliza Fabrizio.

Sobre 1Bilhão

O canal 1Bilhão leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, eleito em 2018 com um dos mil paulistanos mais influentes e que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras, o canal tem o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas.

PRECISO DE UMA RESERVA FINANCEIRA?

“Temos a cultura de não nos prepararmos para eventualidades e quando estas acontecem entramos em desespero”, explica Fabrizio Gueratto, Educador Financeiro.

Gastos extras sempre acabam por aparecer em algum momento da vida, ou seja, fatores que levam a precisar de uma determinada quantia sem que esta estivesse planejada. Essas despesas são urgentes, como a perda do emprego, uma doença em que é necessário um tratamento médico, um carro que se envolveu em um acidente e não tinha seguro ou até mesmo um problema na residência que precisa ser consertado imediatamente.

Uma pesquisa realizada pelo Datafolha em 2017 mostrou que cerca de 65% dos brasileiros não contém um fundo emergencial. “Temos a cultura de não nos prepararmos para eventualidades e quando estas acontecem entramos em desespero, não sabemos o que fazer ou para onde recorrer. É nesse momento que pensamos que deveríamos ter feito um “colchão” ou uma reserva de emergência”, diz o Educador Financeiro do Canal 1Bilhão, Fabrizio Gueratto. Ao se deparar com este tipo de situação se percebe o quanto uma reserva financeira é importante. Ela garante segurança e tranquilidade em cenários que se precisa de um montante, não se tem tempo para ganhá-lo e resta apenas a opção de fazer dívidas e empréstimos em bancos e pagar juros altos. O valor da reserva de emergência é algo muito pessoal, mas uma boa dica que o Educador Financeiro recomenda é que se tenha um montante de pelo menos 12 meses de despesas pagas do custo de vida. Por exemplo, uma pessoa que gasta R$ 2 mil por mês, precisa ter guardado R$ 24 mil em uma aplicação em que seja possível resgatar rapidamente e não sofra grandes oscilações do mercado financeiro.

Outra grande qualidade deste “colchão” é não precisar recorrer a instituições financeiras, já que a pior escolha é fazer empréstimos ou pegar dinheiro emprestado com pessoas próximas. Se o dinheiro para o agora não existe, qual a garantia que teremos para pagar essas novas dívidas? Por isso, ter um montante guardado é a melhor saída e indicada para todo investidor, não importa a classe social ou o quanto ganhe por mês. “O mais indicado é começar desde cedo, pois mesmo que no decorrer da vida não seja necessário resgatar esse dinheiro, ele pode ainda ser útil na aposentadoria, por exemplo. Ainda criança é preciso aprender que o recurso que os familiares muitas vezes oferecem de presente, o primeiro pedaço é o que deve ser guardado. Se a mesada for R$ 100,00, deve-se se separar R$ 10,00, guardar e não mexer nunca neste recurso. Quando se ganha pouco e é possível guardar dinheiro, quando chegar na fase adulta e ganhar mais, será bem mais fácil ter a reserva de emergência”, finaliza o Educador Financeiro.

Sobre 1Bilhão

O canal 1Bilhão leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras, o canal tem o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas.

O MELHOR INVESTIMENTO PARA INVESTIR TODO O SEU DINHEIRO

“É necessário ter uma reserva financeira que seja possível resgatar rapidamente e manter o padrão de vida”, explica o Educador Financeiro, Fabrizio Gueratto

Os brasileiros continuam querendo ganhar dinheiro fácil. Isso é um dos motivos que explicam porque existem tantos golpistas no mercado. Só existe o estelionatário, pois existe o que quer ser esperto. Esse conceito, infelizmente, também é levado para o mundo dos investimentos. É comum o investidor sempre buscar aquele produto financeiro que está na moda e lhe trará um retorno rápido e elevado. Isso é um erro muito comum. Por isso a diversificação é única opção para ter uma proteção. O ato de diversificar consiste em alocar o capital em diferentes aplicações, de modo que o desempenho negativo de um seja compensado pelo desempenho positivo de outros.

O Educador Financeiro do Canal 1Bilhão, Fabrizio Gueratto, explica que a principal razão para se fazer a diversificação é o fato de dividir o risco na carteira. O maior erro no momento de fazer o investimento é pensar apenas no curto prazo e deixar o médio e longo prazo em um segundo plano, pensando que talvez estes demorem. Tirando aqueles que possuem grandes patrimônios, 99% dos brasileiros não sabem fazer a diversificação de uma forma correta. Para começar com segurança e eficiência é necessário entender suas necessidades para montar a carteira, pois muitas vezes o investidor não possui potencial para diversificar seu montante. “É necessário ter uma reserva financeira que seja possível resgatar rapidamente e manter o mesmo padrão de vida por pelo menos 12 meses. Este “colchão” pode estar em um CDB com liquidez, no Tesouro Direto Selic ou até mesmo na poupança. Apenas depois desta primeira fase concluída e que os ovos poderão se distribuídos em diversas cestas, de acordo com a idade, objetivos e aspectos da vida particular, como mulher e filhos, por exemplo. O importante é entender que não existe o melhor investimento para alocar todo o seu dinheiro”, explica o Educador Financeiro.

Para o Educador Financeiro, os recursos são valiosos e colocá-los em mais de um local pode permitir melhores resultados. “O equilíbrio é a palavra-chave, pois ao investir em locais que representam riscos diferentes acaba-se por criar uma maior segurança financeira e estabilidade, conquistando paz para a vida orçamentária, além de muito mais dinheiro entrar, pois é possível rentabilizar de várias formas, ou seja, pode-se ganhar dinheiro de diferentes maneiras, além de garantir a confiança que isto está dando resultado e o dinheiro não estará sendo perdido”, finaliza Gueratto.

Sobre 1Bilhão

O canal 1Bilhão leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, eleito em 2018 com um dos mil paulistanos mais influentes e que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras, o canal tem o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas.

VALE A PENA PEGAR O CRÉDITO CONSIGNADO COM GARANTIA DO FGTS?

Mais uma vez o governo comete os erros do passado. Facilitar o crédito para uma população sem educação financeira”, explica Fabrizio Gueratto, Educador Financeiro.

Recentemente a presidência da república sancionou as regras do crédito consignado, com desconto da folha de pagamento, para funcionário da rede privada usando o FGTS como garantia O financiamento já está disponível e a através da Caixa Econômica Federal, que é o primeiro banco a oferecer este serviço. Além desta, outras instituições financeiras também poderão disponibilizar.  

O governo prevê uma introdução de R$ 37 bilhões na economia brasileira, se metade dos trabalhadores solicitarem este crédito pessoal. Para o Educador Financeiro do projeto 1Bilhão, Fabrizio Gueratto, este tipo de empréstimo contém a menor taxa, mas só vale a pena para pagar uma outra dívida. “Se a pessoa possui uma dívida no cartão de crédito ou cheque especial, por exemplo, em que os juros anuais beiram os 300%, vale a pena usar esta modalidade. Porém, esta é a única utilidade que faz sentido. Mesmo com juros menores, utilizar o crédito para o consumo é um erro primário que o brasileiro insiste em cometer. Mais uma vez o governo comete os erros do passado. Facilitar o crédito para uma população sem educação financeira. É uma fórmula que causa um efeito benéfico imediato e um problema a médio e longo prazo”, explica o Educador Financeiro. A lei que autoriza essa modalidade e tem o FGTS como garantia, foi sancionada a dois anos atrás, em 2016, e regulamentada em abril de 2017, mas acabou não desenvolvendo-se por conta de suas regras vigentes.   

Outra novidade aprovada é que agora será possível que os bancos realizem consultas prévias, ou seja, poderá ocorrer um apuramento de margem de cada trabalhador FGTS, o que antes não era admitido. Na Caixa a taxa de juros começa a partir de 2,63% e pode chegar no máximo a 3,5%. “Parece um juros baixo em relação a outras modalidades de crédito, entretanto, se levarmos em conta a Selic anual que se encontra em 6,5% e a poupança com rendimento de 4,59% nos últimos 12 meses, percebe-se que em apenas dois meses, mesmo com a menor taxa do empréstimo que seria por volta de 5,25%, este crédito já custaria mais alto do que a rentabilidade anual da poupança”, ressalta Gueratto.  

Sobre 1Bilhão 

O canal 1Bilhão leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, eleito em 2018 com um dos mil paulistanos mais influentes e que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras, o canal tem o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas. 

EDUCAÇÃO FINANCEIRA REALMENTE FUNCIONA?

“Não importa se você gosta ou não de economia. Todos nós somos obrigados a aprender se não quisermos ter problemas na nossa velhice”.

O Brasil não sabe dar educação e isso é um fato. Os professores não ensinam física para um adolescente sem explicar como ele poderia usar além do vestibular e passar de ano, e tampouco a didática desperta a curiosidade desse jovem. Agora, é de se espantar que uma população inteira, com exceção de pouquíssimos casos, não saiba cuidar de uma das coisas mais essenciais ao longo da vida, como as finanças. Portanto, fica estranho ver que uma criança europeia de 8 anos já é conscientizada sobre princípios básicos de como poupar dinheiro, enquanto um adulto brasileiro ainda cai em mentiras óbvias de bancos e lojas de varejo. 

Em sua última pesquisa sobre a educação financeira, o Banco Central constatou que 36% da população assume que é inadimplente, representando um terço dos entrevistados. Além disso, foi constatado que apenas 18% da população respondeu corretamente sobre os juros compostos, ou seja, 82% não sabe o que significam. Sabemos que o cálculo de juros, até mesmo o simples, não é um dos mais rápidos e práticos de se fazer. Mas para isso, assim como para qualquer outra matéria escolar, temos o auxílio de educadores para dar um “norte” de como resolver questões como essa.  

Para Fabrizio Gueratto, Educador Financeiro, o desconhecimento da população brasileira de algo essencial para qualquer cidadão é um grande absurdo. “É impossível uma pessoa acumular riqueza sem ter educação financeira. Mesmo que ela receba uma grande herança ela corre sério risco de perdê-la. Não importa se você gosta ou não de economia. Todos nós somos obrigados a aprender se não quisermos ter problemas na nossa velhice”, lembra Gueratto. Na pesquisa mais recente da OCDE a respeito da educação financeira, divulgada em 2016, o Brasil se encontra na 27ª colocação entre 30 países, ganhando apenas de Croácia, Bielorrússia e Polônia. França, se mantém líder no ranking, como a mais educada financeiramente. Para efetuar a pesquisa, foram considerados três pilares do mundo das finanças: conhecimento, comportamento e atitude. Nos três quesitos, o Brasil teve um péssimo resultado. “Qualquer tipo de assunto você encontra na internet. Tanto faz se você é rico ou é pobre. É uma questão de correr atrás de conhecimento e ter um profissional ao lado para auxiliar”, afirma Gueratto.  

Sobre 1Bilhão 

O canal 1Bilhão leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, eleito em 2018 com um dos mil paulistanos mais influentes e que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras, o canal tem o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas. 

POR QUE A INFLAÇÃO PESSOAL DEIXA VOCÊ MAIS POBRE?

“Se o seu dinheiro investido está rendendo menos do que o percentual que sobe o seu custo vida, você está ficando mais pobre e sem perceber”, explica o Educador Financeiro, Fabrizio Gueratto.

O brasileiro que conviveu com a hiperinflação sabe o impacto que ela causa na vida financeira de qualquer pessoa. Basicamente, inflação é o percentual de subida dos preços de produtos e serviços. Se um carro custava ano passado R$ 30 mil e agora, 12 meses depois ele custa R$ 33 mil, este produto sofreu uma inflação de 10%. Para medir este impacto no país inteiro o governo criou o Índice de Preço ao Consumidor (IPCA), em que é medido o custo de vida de famílias que ganham entre 1 e 40 salários mínimos. Entretanto, este dado tem pouca importância para o investidor, pois o custo de vida varia de pessoa para pessoa e quase sempre é muito maior do que o IPCA. 

“Um dos grandes erros do investidor é olhar apenas para a rentabilidade de um determinado investimento, quando na verdade, em primeiro lugar ele precisa saber qual é a sua inflação pessoal, ou seja, o quanto o seu custo de vida subiu”, explica o Educador Financeiro, Fabrizio Gueratto. Imagine uma pessoa que tenha um gasto mensal de R$ 10 mil. Deste total, R$ 4 mil é de escola do filho, R$ 2 mil de plano de saúde, R$ 2 mil de supermercado e mais R$ 2 mil de combustível. Se em um ano ocorreu em média uma subida de preço de 12% em cada um destes itens, a inflação desta pessoa foi de 12%. Portanto, não importa se a inflação medida pelo governo foi de 4% ou 5%. Na prática, o investimento desta pessoa precisará ser sempre acima do aumento do seu custo de vida. 

Se a sua inflação, por exemplo, for de 8%, qualquer investimento que rentabilize menos do que isso fará com que o seu dinheiro perca valor, ou seja, você conseguirá comprar menos do que comprava no ano passado. Num período de 10 anos é possível que um investimento mal feito perca metade do seu valor. Esse é justamente o trabalho do planejador patrimonial. Buscar no mercado os produtos financeiros com alta expectativa de retorno para conseguir sempre rentabilizar muito acima da inflação pessoal. “Portanto, se o seu dinheiro investido está rendendo menos do que o percentual que sobe o seu custo vida você está ficando mais pobre e sem perceber”, finaliza o Educador Financeiro.  

Sobre 1Bilhão 

O canal 1Bilhão leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, eleito em 2018 com um dos mil paulistanos mais influentes e que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras, o canal tem o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas. 

COMO COMEÇAR A INVESTIR?

“Para se tornar um investidor é necessário traçar objetivos e ter disciplina. Não é complicado”, explica o Educador Financeiro, Fabrizio Gueratto

O brasileiro tem a fama de não possuir educação financeira. Desde a infância não é ensinado a se preocupar de fato com a vida orçamentária ou então, planejá-la e organizá-la em momentos que podem ser necessários. Pesquisas apontam que um dos maiores causadores de brigas familiares e em lares é exatamente a falta de dinheiro e este problema poderia ser evitado na maioria dos casos. Ainda não existe um atalho até a fortuna, portanto, tudo depende do planejamento e da disciplina.

Investir é uma boa alternativa para rentabilizar mais e fazer o dinheiro crescer. Para começar o processo de investimento é necessário entender primeiro qual é o conceito de investimento. Para o Educador Financeiro do Canal 1Bilhão, Fabrizio Gueratto, investimento é toda e qualquer aplicação financeira que tenha tendência de trazer lucro após um certo período, seja ele curto, médio ou longo. “Para começar este processo é necessário cuidado e atenção na hora de escolher onde investir. Estamos acostumados a ouvir que precisamos ter a casa própria, mas não, tudo aquilo que faz perder dinheiro ou simplesmente não gera receita, não pode ser considerado como bom investimento. E este é um erro muito comum, achar que está investindo, quando na verdade está aplicando o dinheiro em locais errados e não estratégicos. Um carro, por exemplo, realmente é um bem adquirido, mas que desvaloriza todo ano e gera custos com IPVA, seguro, combustível e manutenção”, explica Fabrizio Gueratto.

Para se tornar um investidor antes de tudo é necessário saber guardar dinheiro e todos os meses. Em que investir no começo não é o mais importante. O Educador Financeiro explica que procurar um serviço de assessoria financeira pode ser uma ótima opção para não se enganar no momento que está iniciando o planejamento. “O profissional desta área irá visar uma carteira de produtos de acordo com o seu perfil, onde será responsável por organizar e acompanhar de perto todas as finanças, além de dar auxílio sobre qual local de fato é vantajoso aplicar. O profissional estuda também a carteira do cliente, para ver se é possível diversificar, pois nem todos podem fazer essa ação. A pessoa que ainda não conseguiu fazer o seu colchão, ou seja, sua reserva de emergência que deve equivaler a no mínimo 12 meses de custo de vida, não pode dividir seus recursos em diversas aplicações. É necessário no começo traçar pequenas metas. Por exemplo, para atingir R$ 1 mil, R$ 10 mil, R$ 20 mil e assim por diante. Para pequenas somas, se o dinheiro estará na poupança, no tesouro direto ou em um CDB, não fará muita diferença. O brasileiro precisa entender que se ganha dinheiro trabalhando e não tratar os investimentos como um cassino”, finaliza Gueratto.

Sobre 1Bilhão

O canal 1Bilhão leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras, o canal tem o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas.